Nova análise indica que a teriflunomida retarda a atrofia cerebral nas pessoas com Esclerose Múltipla Recorrente